Os níveis de linguagem

Vamos falar agora sobre os tipos de linguagem que você pode utilizar em suas narrações. Como você já deve ter ouvido falar, existem basicamente dois níveis de linguagem: a linguagem padrão (ou formal) e a linguagem coloquial (ou informal).

Entendemos por linguagem padrão o que chamamos de língua culta, que se caracteriza pela correção gramatical, ausência de gírias ou termos regionais, riqueza de vocabulário e frases bem elaboradas.

Exemplo:

No corredor de uma universidade, um eminente professor de Direito Penal encontra um ex-aluno, agora seu colega. O professor diz-lhe:

– Que prazer encontrá-lo depois de tanto tempo!

– Como está professor? É bom revê-lo – sorriu o ex-aluno, comovido. O senhor nem pode imaginar o quanto me foram úteis os conhecimentos que adquiri em suas aulas.

– Você sempre foi um excelente aluno. Tinha a certeza de que se tornaria um advogado notável.

A linguagem coloquial, por sua vez, é aquela que as pessoas utilizam no dia a dia, oralmente, quando conversam informalmente com amigos, parentes e colegas. É a linguagem descontraída, que dispensa formalidades e aceita gírias, diminutivos afetivos e palavras de cunho regional.

Exemplo:

Dois amigos se encontraram no pátio do colégio, na hora do intervalo, e Marcos perguntou:

– Como é que é, Zé? Tá a fim de dar uns giros por aí depois da aula?

– É isso aí! Deixa eu ir me mandando, que o sinal já tocou – falou Zé, apertando o passo.

[sg_popup id=6]